Wednesday, November 21, 2007

2 comments:

André Luiz said...

CÉU

Inda hoje o azul do céu

Produziu uma clareza dolorozamente eficaz

Num só clarão aguçou os sonhos de delírios,

Devolvendo-nos aquela mesma paz

(quiçá poderíamos chamá-la: "ventura"!)


E foi ao acordar que eu vi o baobá

Nascer, crescer e frutificar

Ao som do berimbau.


E sucederam-se pensamentos

E mais pensamentos

Furtivos, clarões de um modo de vida superior.


(Eles sequer suspeitam da ânsia

Derradeira e altiva

Do pássaro que passou por aqui).



André L. P. Mendes, 28?03/08

André Luiz said...

CÉU

Inda hoje o azul do céu

Produziu uma clareza dolorozamente eficaz

Num só clarão aguçou os sonhos de delírios,

Devolvendo-nos aquela mesma paz

(quiçá poderíamos chamá-la: "ventura"!)


E foi ao acordar que eu vi o baobá

Nascer, crescer e frutificar

Ao som do berimbau.


E sucederam-se pensamentos

E mais pensamentos

Furtivos, clarões de um modo de vida superior.


(Eles sequer suspeitam da ânsia

Derradeira e altiva

Do pássaro que passou por aqui).



André L. P. Mendes, 28?03/08